22 de novembro de 2013

PENSAMENTOS DE C.S. LEWIS


Clive Staples Lewis
       Há cinquenta anos, em  22 de novembro de 1963, morria o irlandês C.S. Lewis (1898-1963), célebre pensador cristão e autor de inúmeros livros de sucesso, como As crônicas de Nárnia, O peso de glória e Cristianismo puro e simples. Ateu durante algum tempo, se converteu em 1929 e se tornou um grande apologeta do cristianismo.

       Em 1993 foi lançado um filme contando um pouco de sua história, tendo Anthony Hopkins como protagonista intitulado Terra das sombras.
           
         Veja alguns de seus pensamentos extraídos de seus excelentes livros:  

“Cedi, e deixei Deus ser Deus.”

“Nossa tentação é procurar com avidez o mínimo aceitável.”

"Em Deus não existe fome a ser satisfeita, apenas fartura que deseja doar."                               
"O que Deus faz por nós Ele faz em nós."         



“Ser cristão significa perdoar o indesculpável, porque Deus perdoou o indesculpável em nós.”

“Acredito no Cristianismo como acredito que o Sol nasceu, não apenas porque eu o vejo, mas porque por meio dele eu vejo todo o resto.”



“A exigência divina é infinita e inexorável. Podemos recusá-la ou podemos começar a tentar cumpri-la.”



“A variedade das promessas não quer dizer que qualquer outra coisa que não seja Deus será nosso êxtase supremo.”



“Li outro dia num periódico que o essencial é o que achamos de Deus. Pelo amor desse mesmo Deus, não é nada disso! O que Deus pensa de nós não só é mais importante, mas infinitamente mais importante.”

"Se posso ousar fazer uma imagem biológica, Deus é um “hospedeiro” que cria deliberadamente seus próprios parasitas; fazendo-nos existir a fim de que possamos explorá-lo e “tirar proveito” dEle. Este o diagrama do próprio Amor, o inventor de todos os amores."

 "O inferno é o único lugar além do céu onde podemos estar a salvo dos perigos do amor."



“Experimentar o amor de Deus de uma forma verdadeira e não ilusória é experimentá-lo como uma entrega às suas exigências.”



“O homem piedoso visa o bem do seu próximo e, assim, acaba fazendo a 'vontade de Deus'.”

"Se analisarmos as audaciosas promessas de galardão e a natureza surpreendente das recompensas prometidas no Evangelho, pareceria que Nosso Senhor considera nossos desejos não muito fortes, mas muito fracos, isto sim. Somos criaturas sem entusiasmo, brincando feito bobos e inconsequentes com bebida, sexo e ambições, quando o que se nos oferece é a alegria infinita."

"Rejeito de imediato a ideia que persiste na mente de algumas pessoas modernas de que as atividades culturais são de direito espirituais e meritórias – como se poetas e intelectuais fossem intrinsecamente mais agradáveis a Deus que os catadores de lixo e os engraxates [...] A obra de um Beethoven e o trabalho de uma faxineira são espirituais, exatamente na mesma condição, a de ser ofertas a Deus, de ser feitos com humildade “como para o Senhor”.





Nenhum comentário:

Você pode também gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...