18 de outubro de 2012

GUERRA, DOR E PERDÃO




A menina vietnamita abrasada com napalm, cuja foto deu a volta ao mundo, ensina a outras vítimas da guerra a perdoar e recebe em Madri o prêmio Save The Children a sua ONG -Kim Foundation- que ajuda a crianças vítimas de conflitos bélicos.

Em 8 de junho de 1972, Kim Phuc e seus vizinhos do povoado de Trang Bang foram vítimas de um ataque norte-americano que o jovem fotógrafo Nick Ut imortalizou em uma foto que deu a volta ao mundo. Ouvi-la reviver aquele momento fecha o estômago. “Estávamos três dias refugiados num templo e de repente ouvimos vir os aviões e começamos a correr. Vi cair quatro bombas. Ouvi burum burum, um som mais suave do que eu esperava, e de repente tinha fogo por todas as partes, também em minha pele”.

Sua roupa ardeu por completo deixando seu corpinho exposto à agressão da cabeça aos pés. Dois de seus primos, de seis meses e três anos, morreram abrasados. Ela sofreu queimaduras em 65% da pele.  Phuc vê com frequência o autor da foto. Recentemente, esteve com ele em Colônia (Alemanha) recebendo um prêmio patrocinado por uma marca de câmaras fotográficas. Depois, ela viajou a Madri para receber o prêmio que Save The Children lhe entrega pelo labor de sua ONG -The Kim Foundation.

Leva pendurado no pescoço duas correntes: uma folha de arce e uma cruz. A primeira é o símbolo de seu país de adoção: Canadá, para o qual fugiu: “Precisava ser livre”, diz Phuc, que sendo um símbolo como era, foi submetida durante anos ao férreo controle do regime comunista.

Perguntar pela segunda corrente destapa a caixa de Pandora. Descobrir a mensagem do Evangelho de Jesus trouxe para ela um ponto de inflexão. “Eu vivia sofrendo. Odiava minha vida, odiava a gente normal, odiava a quem me tinha feito tanto mal, as cicatrizes... Ler a palavra de Jesus me mudou. Não sou uma pessoa religiosa, mas tenho uma relação muito íntima com Deus. Falo-lhe muito. Quando me doem as feridas, oro. E quanto mais faço, mais paz encontro. Ajudou-me a amar e perdoar”.

Não se cansa do repetir. “Minha missão é ajudar a outros em minha situação a perdoar, a ser mais fortes por fora e por dentro”.
No Canadá, Phuc e seu marido vivem com os pais dela e seus dois filhos —Thomas Hoang e Stephen Binh—. Desde 1986 só regressou uma vez ao Vietnã, em 2004, depois da morte de um de seus irmãos, que também aparece na foto. Vai desenfreado, diante de sua irmanzinha nua. “Ele corria mais que eu”.

Kim Phuc é agora embaixadora da UNESCO. Prega uma mensagem de amor e reconciliação, com a palavra perdão como eixo. “Não podemos mudar o passado, mas com amor podemos isentar o futuro", é uma de suas frases.
 
 "Eu não sabia o que era a dor (...) o napalm é pior do que possam imaginar. É queimar-te com gasolina por baixo da pele. Desmaiava cada vez que as enfermeiras me metiam na tina e cortavam a pele morta. Mas não morri. Dentro de mim tinha uma menina pequena e forte, que queria viver".

A recuperação não foi fácil. "Tive pena de mim mesma. Queria colocar blusas de manga curta e não podia. Olhava meus braços e me perguntava: por que? Cheguei a pensar que não teria noivo, nem iria me casar, nem teria um bebê", afirma Kim, que assegura que conseguiu superar graças ao amor da família e de Deus".

 DO INFERNO DO NAPALM AO REINO DE JESUS

Enquanto Kim estudava medicina em seu pais, encontrou casualmente um dos poucos Novos Testamentos que não tinham sido confiscados pelo governo comunista de Vietnã, e a curiosidade lhe levou a ler; chocando-lhe enormemente a mensagem de Jesus. Nesse mesmo tempo foi a uma igreja evangélica em Ho Chi Minh. Num culto, no Natal de 1982, depois de escutar a mensagem do perdão e salvação que oferece Jesus Cristo, se entregou chorando a Jesus. Quando sua família soube que tinha se convertido ao cristianismo e que só queria seguir a Jesus e a nenhum outro deus, foi expulsa de sua casa.

No verão de 1992 casou-se com um vietnamita, colega de estudos. Os noivos viajaram a Moscou. De regresso a Cuba, aproveitando uma escala técnica em Ganther (Canadá), decidiu ficar ali. "Não tinha nada", recorda Kim", "só a câmara e a bolsa, mas tinha fé e pensava: se consigo a liberdade vou ter de tudo".

 REENCONTRO COM SEU “VERDUGO”

Quatro anos mais tarde, em 11 de novembro de 1996, Kim participou do Memorial de Veteranos de Vietnã, em Washington. Um dos assistentes do ato era John Plummer, que 24 anos atrás participou da ordem de bombardear Trang Bang, o povoado que então vivia a menina Kim Phuc.

Durante esses anos, Plummer tinha sofrido uma culpabilidade extrema que lhe tinha levado ao alcoolismo e ao fracasso matrimonial; finalmente, sua história também terminou com um encontro aos pés de Jesus, que lhe deu uma nova vida, chegando a ser ministro evangélico. Mas a lembrança do bombardeio e a foto seguia produzindo-lhe uma grande dor. Nesse dia, escutou  Kim dizer "Tenho sofrido muitas dores físicas e psicológicos. Às vezes pensava que não ia poder viver, mas Deus me salvou, me deu fé e esperança."

Ao sair, Phuc encontrou-se com Plummer, enquanto alguém lhe sussurrava ao ouvido quem era aquele homem que a olhava surpreso. Ela lhe estendeu os braços e Plummer se abraçou a ela chorando, sem dizer outra coisa : "Sinto, sinto...". Ela lhe respondeu: "Tudo já está em ordem. Perdoo, perdoo...". Dois "inimigos" salvos e reconciliados na paz e no amor de Cristo."

Kim Phuc, como temos dito, vive junto com seu marido e seus dois filhos em Toronto, e teve a satisfação de receber a visita de seus pais, e ver como aceitaram ambos a Jesus como salvador. Agora vivem com eles.

Fonte:
© Protestante Digital 2012

2 comentários:

Patricia Galis disse...

É emocionante essa testemunho que mulher incrível, muitos não conseguiriam esse patamar.

Anônimo disse...

Maravilhoso isso. Sem palavras... Creio que essa foi uma das postagens mais impactantes que tive a oportunidade de ler. Uma grande lição para mim. (Silvana Sales)

Você pode também gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...