15 de setembro de 2012

AIRTON MONTE: HOMENAGEM A UM ATEU


Na última segunda-feira (10), morreu, vítima de câncer, o cronista, poeta, ficcionista e médico cearense Airton Monte. O escritor nasceu em Fortaleza, em 1949, e se destacou pela obra constituída de poesias, contos e crônicas.
Dostoiévski dizia que só o crente pode ter dúvidas, pois só ele tem no que acreditar. Pois bem, Airton Monte se dizia ateu, mas afirmava que seu ateísmo às vezes balançava. 
Em uma de suas últimas crônicas, "Feitio de Oração", publicada no Jornal O Povo, em 7 de agosto deste ano, ele fala de como orava a Deus, ao seu Deus. 
Não preciso concordar plenamente com ninguém para reconhecer o seu talento. Assim, publico esta sua crônica e presto homenagem a este grande escritor.
De há muito meus lábios não se abrem para fazer, contrito, uma oração ajoelhado em um banco de igreja ou mesmo quando me encontro em casa, sozinho, de braço dado com as minhas angústias e minhas aflições. Faz tanto tempo que não entabulo uma conversazinha com Deus, a sós, pedindo ajuda, tirando minhas dúvidas, que são muitas, ou mesmo para agradecer, genuflexo, as pequenas e grandes graças que tenho recebido pela vida afora. Sim, há vários momentos em que meu ateísmo vacila e como a Torre de Pisa no meio de um terremoto, balança, balança, balança, mas não cai de todo. O Deus, no qual por muitas vezes creio e socorro suplico, é bastante diferente Daquele ou Daqueles em que as outras pessoas costumam acreditar. Ai de mim, que não perco essa tola mania de querer ser sempre original. Do meu Deus não tenho um pingo de medo sequer, mas um amoroso respeito e com todo o respeito, Senhor, igual ao que eu sentia por meu pai. O meu Deus também não me ameaça com os mais terríveis castigos nem me tiraniza com ordens de um cruento ditador. Deixa que eu cultive as minhas opiniões, embora eu pense que Ele considere algumas delas estapafúrdias. Sempre que converso com Ele, parece até que estou batendo um papo descontraído com um velho e querido amigo, como creio que devem ser O Criador e sua criatura.
E quando conversamos, meu Deus e eu, jamais Ele me fala em céu ou inferno, em graças e castigos, em fieis e infiéis, em hereges e santos, inocentes e culpados. Nosso assunto preferido é sempre a bondade que reside no fundo da alma de cada ser humano e que nos faz ser verdadeiramente humanos. O meu Deus, além disso, é dotado de um incomensurável senso de humor e dá divinas gargalhadas com o que se comenta a respeito Dele. Todos estão certos e todos estão errados, já que sou, por definição, o Indefinível. Assim Ele me fala, me piscando o olho e com um sorriso maroto no rosto divinal. Por vezes, Ele assume a aparência de um velho. Por vezes, a de um garoto, numa espécie de brincadeira somente permitida aos seres onipotentes e oniscientes, se desenhando em novas formas no esculpir das nuvens. E aproveitando dessa intimidade que Ele me concede, como sei que concederia a qualquer outro, fiz ao Senhor alguns poucos pedidos, na ansiosa espera de me serem concedidos e que tornarão a minha existência mais leve e mais aliviada das chatices do dia a dia e às quais todos nós estamos indefesamente sujeitos, seja lá quem formos ou deixemos de ser.
Livrai-me, Senhor, dos que ferem a espontaneidade anárquica do botequim, querendo impor regras e limites burocráticos aos seus frequentadores, insistindo em filosofar a sério sobre mulher, futebol e vida alheia. Pois o botequim é sinônimo de espontaneidade, do imprevisível, do inusitado, do quando menos se espera é que acontece. Livrai-me, Senhor, dos que, ao invés de contarem piadas, “causos” e lérias, teimam em discutir política com acirrado fanatismo ideológico. Livrai-me, Senhor, da presença dos falsos amigos, esses Judas do afeto, esses fariseus do bem-querer. Livrai-me, Senhor, dos falsos pastores, que falam Teu Santo Nome em vão e cujo rebanho nada mais é do que a salvação da lavoura. Do pastor, é claro. A todos eles, os que enganam e traem a boa fé do semelhante, castigai-os, Senhor, com uma mulher estabanada, que fale mais que o locutor do Jóquei Clube. E, ao mesmo tempo, Senhor, perdoai-me por pedir o sofrimento para meu semelhante. Livrai-me, Senhor, do imposto de renda, do bolso vazio, do emprego perdido, da firma reconhecida, dos credores inoportunos que tocam a campainha pela madrugada, nos roubando o sono e a esperança. Livrai-me, Senhor, da fila dos bancos, dos juros do cheque especial e do cartão de crédito, da promissória vencida, do salário atrasado, das saidinhas bancárias, que os bandidos não dão trégua, Senhor. Por via das dúvidas, Senhor, livrai-me precipuamente das pragas de ex-mulher rancorosa, que são piores do que praga de mãe e atormentam os infelizes pela vida afora.
Dos maus poetas, Senhor, livrai-me urgentemente, que deles a poesia quer distância por uma questão de sobrevivência. Livrai-me, Senhor, do sexo feito às pressas, num simulacro de paixão. Livrai-me, Senhor, das pobres e tristes criaturas castas, que odeiam o próprio corpo e seus desejos e para quem Deus tornou-se sinônimo perfeito de mortificação e de martírio, livrai-me, Senhor, para todo o sempre. Fazei com que eles recuperem a alegria de viver. Livrai-me, Senhor, dos assassinos de árvores, que trucidam o verde cinturão de Fortaleza e a transformam num deserto de cimento armado por onde os hunos contemporâneos passeiam as suas patas. Livrai-me, Senhor, dos políticos safados, dos padres de passarela, dos juízes marreteiros, das baratas, das traças, dos cupins que infernizam o existir daqueles que amam os livros. Livrai-me, Senhor, das desilusões paternas e da ideia besta de que os filhos nunca crescem. Das mulheres que não sabem cozinhar, nem fazer cafuné e caldo de caridade, Livrai-me, Senhor, pelo amor de Deus. Livrai-me, Senhor, de todos os relógios que me escravizam ao tempo. E se não for pedir muito, Senhor, livrai-me jamais dessa capacidade infinita de sonhar e que me faz sublimemente humano, à Vossa imagem e semelhança...

Um comentário:

Anônimo disse...

Muito profundo.Todos acreditamos num ser que chamamos de Deus ao qual prestamos reverencia e procuramos nas nossa aflicões e alegrias.

Você pode também gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...