15 de agosto de 2012

ABORTOS NÃO SÃO DESTINADOS A PRESERVAR A VIDA DA MÃE


 Menos de 1% dos abortos são destinados a preservar a vida da mãe, revela pesquisa

Pesquisa indica casos chocantes de banalização do procedimento que dá fim a vida de bebês
Um relatório feito na Grã Bretanha destinado ao parlamento inglês revelou que os procedimentos de aborto realizados para preservar a vida da mãe corresponderam a 0,006 % do total realizado no país.
Menos de 1% dos abortos são destinados a preservar a vida da mãe, revela pesquisaA lei que permite o aborto no país foi criada justamente para contemplar a possibilidade de salvar a vida das mães cuja gravidez ameaçasse sua vida. Porém, segundo o membro da Câmara dos Comuns, David Alton, depois de 6,4 milhões de abortos realizados no país, os números revelam que em 99,5 % dos casos em que a vida de um feto foi finalizada não havia risco para a saúde da mãe.
De acordo com o site WND, do total de abortos realizados, apenas 143 se enquadraram nos termos do Artigo 1, que se refere à preservação da vida da mãe. Os outros evidenciam que o procedimento foi realizado por motivos que envolveram algum tipo de escolha da mãe. “A sociedade precisa reavaliar a presunção de que o fim da vida de um nascituro é meramente uma questão de escolha”, diz Alton.
Para ele, a matança simplesmente saiu do controle. Ele cita o elevado número de adolescentes submetidos a abortos múltiplos. Alerta também para os profundos efeitos psicológicos que podem trazer à mulher. “Apesar disso, pouco tem sido feito para ajudar aqueles que passaram por esse processo, que implica em sofrimento e angústia em uma fase em que nem sempre atingiram a maturidade emocional suficiente”, ressalta.
Ele citou o chocante um caso em que os formulários para três adolescentes totalizaram a soma de 24 abortos. “Atrás de cada estatística há um coração batendo e precisamos nos lembrar que ao final de cada uma destas seis milhões de vidas existe uma tragédia”, disse ele.
Outro dado espantoso divulgado pelo The Telegraph é que algumas mulheres decidem abortar quando descobrem que o sexo do bebê não era o que esperavam.
Outra revelação é que médicos de 14 hospitais assinam formulários em branco que mais tarde seriam usados para justificar abortos.
Por Jussara Teixeira
Fonte: gospel prime

4 comentários:

Jorge disse...

Um assunto bem delicado sempre.

Patricia Galis disse...

Fiquei chocada com essa noticia qu abortam quando sabem o sexo do bebe, meu Deus é o fim dos tempos.
Apesar de ser a favor da vida, eu não sou contra o aborto em caso de risco de morte e claro estupro, e mesmo assim tem que ser uma coisa muito analisada, mas assim com descaso é crime.

George Gonsalves disse...

O assunto realmente é delicado, Jorge. Mas precisamos chegar às últimas conclusões das verdades que sabemos.
Patrícia, a ética cristã (I-João 3:16) não aceita o aborto em hipótese alguma. Precisamos de graça para aceitar e viver como as Escrituras nos ensinam. Abraços.

Anônimo disse...

Vivemos a época em que "o importante é ser feliz" e isso tem levado várias pessoas a cometerem atos covardes e muitos até criminosos. Não há argumentação que justifique a morte de crianças.

Você pode também gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...