21 de fevereiro de 2011

A IGREJA É INDESTRUTÍVEL


     Há muitos anos eu li ou ouvi sobre uma história ocorrida na China.
    Corria os turbulentos anos da "Revolução Cultural" implementada por Mao-Tse Tung.  Um grupo de cristãos se reunia clandestinamente para adorar ao seu Senhor e compartilhar a sua fé. De repente, o culto foi interrompido por soldados chineses.  De modo truculento, eles retiram as bíblias das mãos dos crentes ali presentes, amontoando-as no chão. Um dos soldados, então, ateou fogo naquele punhado de bíblias. Os soldados fizeram um círculo ao redor da fogueira para impedir que alguém chegasse aos livros.
    Uma triste expressão havia no rosto daqueles irmãos, que se recusavam a aceitar às pressões do governo para negar a própria fé. O som do crepitar da fogueira se misturava aos gemidos incontidos de alguns. Aquelas folhas que continham palavras de vida eterna Be perdão, agora viravam cinzas diante dos olhos pesarosos dos irmãos.
    Foi então que um jovem cristão ali presente tomou uma ousada e arriscada decisão.  Ele se esgueirou por entre os soldados e corajosamente enfiou a mão na fogueira para ver se conseguia salvar algum exemplar do livro sagrado. Só conseguiu pegar uma única página. Os soldados tentaram prendê-lo, mas ele conseguiu se desviar de todos e despareceu na noite.
    Dias depois, o jovem reapareceu com o troféu: uma única página chamuscada das Escrituras Sagradas. A igreja se reuniu novamente e só um texto poderia ser lido, àquele contido na página trazida pelo jovem crente. Um líder da comunidade, então, tomou a página em suas mãos e fez a leitura do texto que ainda podia ser lido: "Mas vós, contiunou ele, quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.  Então,  Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela." (Mateus 16:15-18).
    No decorrer do século XX centenas de missionários foram expulsos da China. Outras centenas de líderes, como Watchman Nee, foram presos. Jiang Qing, esposa de Mao, chegou a declarar: "O Cristianismo na China foi colocado num museu. Não existem mais cristãos na China". Mas, apesar disto a igreja continuou firme. Na metade do século estimava-se em 750 mil o númeo de cristãos na China. Em 1983, eram cerca de 50 milhões. 
    As denominações passam ou mudam com o tempo. Os locais das comunidades estabelecidas pelos próprios apóstolos não mais subsistem como espaços de adoração. Mas, a promessa de Cristo continua de pé. Ele não permitirá que a igreja seja destruída, mas ela continuará avançando pelo território do inimigo. 
        
George Gonsalves

Nenhum comentário:

Você pode também gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...